Você se importa demais com o que os outros pensam a seu respeito?

07/07/2017

https://www.revistacircuito.com/?p=25197

Talvez inconscientemente muitas pessoas exageram nesta preocupação e passam a considerar que a referência do outro sempre será mais importante do que suas próprias conclusões. Estas tentam a todo custo cumprir as expectativas alheias em detrimento de suas próprias.

Todo ser humano possui dentro de si a necessidade de ser reconhecido, aceito e aprovado. E quando isto não ocorre, surgem sentimentos desagradáveis como por exemplo, não se sentir com valor próprio ou não se sentir bom o suficiente. Isso acontece automaticamente, num processo inconsciente e que geralmente nos levará a sermos dependentes de aprovação.

Ficar focado no que os outros pensam faz com que percamos nossa espontaneidade, criatividade e jeito intrínseco de ser, gerando comportamentos estereotipados (robotizados), somente para agradar ao outro, implicando consequentemente em insatisfação interna.

Na verdade, o problema não reside no que pensam a nosso respeito, e sim, na insegurança e sentimento de menos valia que escondemos e guardamos dentro de nós.

Quanto menor a autoestima, maior o estrago interno causado pelas opiniões alheias. Isso sempre gerará uma busca externa de aprovação dos outros para que a segurança interna se restabeleça.

O medo excessivo de que pensem mal a respeito de si, pode levar uma pessoa a se retrair tanto, chegando ao ponto de desenvolver uma Fobia Social ou até mesmo vir a ter um Transtorno de Ansiedade com maiores gravidades, como o suicídio.

A necessidade de reconhecimento e aprovação vem da infância. Nesta, a criança necessita do amor dos pais para desenvolver seu amor próprio. Quando recebe amor e atenção, amadurecerá desenvolvendo o amor por si mesma de maneira segura e saudável, fazendo com que cada dia mais fique independente de aprovações externas para se sentir bem. Talvez os próprios pais possuem barreiras emocionais, acabando por não conseguirem transferir para seus filhos, o amor e aceitação. Provavelmente sofreram isso também em suas infâncias.

Quando somos julgados, podemos reagir de maneira agressiva, raivosa e com irritação, transparecendo nossa fragilidade frente à muitas situações.

Pessoas seguras de si mesmas não precisam provar nada para ninguém, nem necessitam mudar a opinião dos outros, pelo contrário, conseguem se expressar de maneira clara, firme e tranquila.

O aconselhamento psicológico pode ajudar a desenvolver estratégias de enfrentamento adequadas para lidar com todas essas questões que provocam preocupação excessiva. O psicoterapeuta irá ajudá-lo a identificar quais os tipos de pensamentos e sentimentos que causam a sua ansiedade, e em seguida, trabalhar com você para reduzi-los.

Por Andreza Thans (CRP 63405)

Psicóloga Clínica, especialista em Psicoterapia Breve / Psicanálise / Coaching / Tutoria Cogmed

contato@psicologaandrezathans.com.br